Indicações de livros e filmes

Indicações de livros, filmes e documentários para complementar e aprofundar os estudos.
Alguns são encontrados fácil e gratuitamente na Internet.


LIVROS

Ana Fani Carlos. O espaço urbano: novos escritos sobre a cidade
A cidade não é apenas espaço das construções de concreto. é, antes de tudo, o espaço privilegiado em que as relações sociais e cotidianas se desenrolam e, mais que isso, se revelam - seja, por exemplo, nos muros altos erguidos pela classe média e no sobressalto das esquinas com carros de vidros fechados, seja na segregação nem sempre explicitada, mas real, dos shoppings-centers, das lojas e das casas de diversão. Neste livro, a geógrafa Ana Fani Alessandri Carlos retoma suas reflexões sobre a cidade e o urbano, propondo novas e instigantes análises a respeito do tempo e do espaço na metrópole. Longe de fornecer soluções prontas e acabadas, o livro é um convite ao debate, o que o torna imprescindível a todos aqueles - geógrafos, arquitetos, sociólogos, planejadores urbanos etc - que se debruçam a pensar os caminhos e descaminhos da cidade nos dias de hoje.
Clique aqui para ler

Antônio Carlos Robert Moraes. Geografia: pequena história crítica
A Geografia quase sempre falou de árvores... ao falar dos homens colocou-os como elementos da paisagem, analisou-os como se analisam árvores e rochas. É essa a memória incômoda que acompanha o pensamento geográfico. Sua dissecação no presente, quando esta disciplina vive um amplo processo renovador, é um pressuposto para a construção do saber geográfico mais generoso, orientado no sentido do progresso social.

Aziz Ab'Saber. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas
O professor e geógrafo Aziz AbSáber foi um dos pesquisadores brasileiros mais dedicados à compreensão espacial e territorial do país. Essa é a condição, segundo ele, para que os espaços não sejam usados inadequadamente, em benefício de poucos e em detrimento das gerações futuras. Este livro trata das características e potencialidades das grandes paisagens que compõem o mosaico ecológico brasileiro.
Clique aqui para ler

Darcy Riveiro. O povo brasileiro
Por que o Brasil ainda não deu certo? Quando chegou ao exílio no Uruguai, em abril de 1964, Darcy Ribeiro queria responder a essa pergunta na forma de um livro-painel sobre a formação do povo brasileiro e sobre as configurações que ele foi tomando ao longo dos séculos. A resposta veio com este que é o seu livro mais ambicioso. Trata-se de uma tentativa de tornar compreensível, por meio de uma explanação histórico-antropológica, como os brasileiros se vieram fazendo a si mesmos para serem o que hoje somos. Uma nova Roma, lavada em sangue negro e sangue índio, destinada a criar uma esplêndida civilização, mestiça e tropical, mais alegre, porque mais sofrida, e melhor, porque assentada na mais bela província da Terra.
Clique aqui para ler

David Harvey. A condição pós-moderna
Já definido pelo Financial Times como um dos melhores livros já escritos sobre a relação entre transformações econômicas e culturais de nosso tempo, a obra de Harvey define os contornos culturais da 'condição' pós-moderna, em seus aspectos estéticos, sociais, literários e filosóficos. Fazendo das mudanças que ocorreram na experiência do espaço e do tempo o centro de sua tese, o autor vê a 'condição' pós-moderna como uma conseqüência da atual crise do capitalismo e não como um sintoma do surgimento de uma sociedade pós-capitalista ou pós-industrial. Um estudo sumamente oportuno por sua abrangência e clareza.
Clique aqui para ler

Doreen Massey. Pelo espaço
Apresentando apaixonado debate para a revitalização do modo como imaginamos o espaço, Doreen Massey, ganhadora do mais importante prêmio mundial da geografia, utiliza em Pelo espaço alguns pressupostos tradicionais da filosofia e algumas formas conhecidas de caracterizar o mundo do século XXI, e, a partir daí, mostra como limitam nossa compreensão, tanto do desafio quanto da potencialidade do espaço. O modo como pensamos o espaço é importante. Muda nossa compreensão do mundo, nossas atitudes para com os outros, nossas políticas. Afeta, por exemplo, a forma como entendemos a globalização, o modo como abordamos as cidades, a maneira como desenvolvemos e praticamos um sentido de lugar. Se o tempo é a dimensão da mudança, então o espaço é a dimensão do social: a coexistência contemporânea de outros. Esse é seu desafio, que tem sido, constantemente, evitado. Pelo espaço segue essa discussão através do engajamento filosófico e teórico, e também da manifestação de reflexões pessoais e políticas. Doreen Massey levanta questões como: qual a melhor forma de caracterizar esses tempos ditos espaciais, de que maneira esses pressupostos espaciais implícitos moldam nossas políticas e como poderíamos desenvolver a responsabilidade pelo lugar para além do lugar. O argumento fundamental deste livro é que importa o modo como pensamos o espaço', afirma a autora. 'O espaço é uma dimensão implícita que molda nossas cosmologias estruturantes. Ele modula nossos entendimentos do mundo, nossas atitudes frente aos outros, nossa política. Afeta o modo como entendemos a globalização, como abordamos as cidades e desenvolvemos e praticamos um sentido de lugar. Se o tempo é a dimensão da mudança, então o espaço é a dimensão do social: da coexistência contemporânea de outros. E isso é ao mesmo tempo um prazer e um desafio.' Pelo espaço, de Doreen Massey, é leitura essencial para todos que se interessam pelo espaço e pela virada espacial nas ciências sociais e humanas. Sério, mas às vezes irreverente, é um manifesto que se faz necessário, que nos obriga a reimaginar espaços para esta época e enfrentar seus desafios.
Clique aqui para ler

Emílio Sarde Neto; Lawrence Mayer Malanski. Território, cultura e representação
Por meio de um panorama histórico do pensamento geográfico, investigando as relações dos indivíduos com os ambientes que habitam, conseguimos compreender melhor as experiências humanas e as atribuições de sentidos e significados dadas a elementos materiais e imateriais. A reflexão sobre conceitos fundamentais como cultura, natureza, paisagem, lugar, território e representação pode ampliar nossa compreensão sobre o mundo em que vivemos. Assim, debruçar-se sobre os estudos da geografia, além de favorecer o desenvolvimento de uma percepção crítica, pode efetivamente promover o avanço e bem-estar social.

Eric Dardel. O homem e a Terra: natureza da realidade geográfica
Na época em que O Homem e a Terra foi composto, a obra permaneceu, com raras exceções, ignorada. Entretanto, sua leitura atual revelou não o caráter datado do texto, porém uma surpreendente atualidade. O livro é um autêntico precursor dos estudos de geografia com base na fenomenologia como via de acesso à percepção e à representação do ambiente terrestre pela mente humana. Cabe ao leitor mensurar a riqueza dessa filosofia geográfica e, guiado pelo pensamento inovador de Eric Dardel, descortinar o fundamento desta proposta que faz da geografia “o meio pelo qual o homem realiza sua existência, na medida em que a Terra é uma possibilidade essencial de seu destino”, revelada como é pelo olhar humano sobre os signos, seus sentidos e seus valores, à luz dessa percepção filosófica, cujo objeto é a Terra.

Iná Elias de Castro; Paulo Cesar da Costa Gomes; Roberto Lobato Correa. Geografia: conceitos e temas
A coletânea que ora apresentamos é o resultado de um esforço conjunto de reflexão e atualização dos grandes debates da Geografia contemporânea, não só no que diz respeito à reconstrução de seus conceitos fundadores como também nas possibilidades de sua aplicação aos problemas com as quais as sociedades modernas se defrontam. Desta forma, o público ao qual ele se destina compõe-se, basicamente, de profissionais ligados ao ensino superior, aos estudantes de graduação, aos graduados que procuram uma atualização, aos profissionais de outras áreas que se aproximam dessas reflexões, conduzidos pelo diálogo interdisciplinar, que é cada vez mais uma necessidade da ciência em nossos dias e, finalmente, a todos aqueles que se interessam por problemas que afetam a dinâmica espacial.
Clique aqui para ler

Italo Calvino. As cidades invisíveis
"As Cidades Invisíveis", de Italo Calvino, um dos escritores mais importantes e instigantes da segunda metade do século XX, conta a história do famoso viajante Marco Polo, que descreve para Kublai Khan as incontáveis cidades do imenso império do conquistador mongol. Neste livro, a cidade deixa de ser um conceito geográfico para se tornar o símbolo complexo e inesgotável da existência humana.
Clique aqui para ler

Josué de Castro. Geografia da fome
Um ensaio sobre o fenômeno da fome generalizada, numa época em que esta se torna cada vez mais visível em tempos de globalização. Josué de Castro foca seu estudo no continente americano, dando especial atenção à fome no Brasil.
Clique aqui para ler

Kevin Lynch. A imagem da cidade
Este livro trata da fisionomia das cidades, do fato de essa fisionomia ter ou não alguma importância e da possibilidade de modificá-la. Entre seus inúmeros papéis, a paisagem urbana também é algo a ser visto e lembrado, um conjunto de elementos do qual esperamos que nos dê prazer. Dar forma visual à cidade é um tipo especial de problema de design, e, de resto, um problema relativamente recente.
Clique aqui para ler

Marshall Berman. Tudo que é sólido desmancha no ar: a aventura da modernidade
Ensaio histórico e literário, este livro de Marshall Berman é uma aventura intelectual clara, concisa e brilhante. Visão dos tempos modernos, investigação do espírito da sociedade e da cultura dos séculos XIX e XX. Berman não hesita diante do desafio de lidar com as mais diversas áreas do saber: crítica literária, ciência econômica e política, arquitetura, urbanismo e estética. 'Tudo que é Sólido Desmancha no Ar' constitui uma instigante sucessão de leituras originais e reveladoras de autores e suas épocas, a começar pelo Fausto de Goethe, passando pelo Manifesto de Marx e Engels, pelos poemas em prosa de Baudelaire, pela ficção de Dostoiévski, até as vanguardas artísticas contemporâneas. Livre de dogmatismo, seu trabalho é o de um humanista apaixonado, um verdadeiro Edmund Wilson do nosso tempo.
Clique aqui para ler

Milton Santos. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal
No livro, o geógrafo defende a ideia de que é preciso uma nova interpretação do mundo contemporâneo, uma análise multidisciplinar, que tenha condições de destacar a ideologia na produção da história, além de mostrar os limites do seu discurso frente à realidade vivida pela maioria dos países do mundo. A informação e o dinheiro acabaram por se tornar vilões, à medida em que a maior parte da população não tem acesso a ambos. São os pilares de uma situação em que o progresso técnico é aproveitado por um pequeno número de atores globais em seu benefício exclusivo. Resultado: aprofundamento da competitividade, a confusão dos espíritos e o empobrecimento crescente das massas, enquanto os governos não são capazes de regular a vida coletiva. Apesar disso, Milton Santos reconhece o começo de uma evolução positiva nas pequenas reações que ocorrem na Ásia, África e América Latina. Talvez pode ser este o caminho que conduzirá ao estabelecimento de uma outra globalização.

Murray Schafer. A afinação do mundo
Trata-se de um estudo pioneiro a respeito da relação do homem com seu ambiente acústico. O autor trabalhou as questões ligadas à percepção auditiva não apenas em relação aos profissionais ligados de alguma maneira ao som - músicos, técnicos de som e engenheiros acústicos - mas quanto a toda a comunidade, para a recuperação do equilíbrio entre o homem e seu ambiente sonoro.

Paul Claval. A geografia cultural
A obra apresenta a possibilidade da exploração de um renovado campo de conhecimento, aliando aspectos culturais e geográficos. Desde as primeiras contribuições da geografia humana até a caracterização das grandes problemáticas culturais atuais, A geografia cultural traça um amplo panorama dos estudos geográficos que elegem a cultura como importante componente nas relações entre homem e meio nas relações sociais.
Clique aqui para ler

Yi-Fu Tuan. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência
'Espaço e lugar' foi um marco no movimento de renovação da geografia, iniciado nos Estados Unidos ainda na década de 1950, continua dando frutos até os dias de hoje. Publicado em 1977, marca o momento de maturidade acadêmica de seu autor, Yi-Fu Tuan, alicerçada na leitura geográfica da poética científica de Bachelard, iniciada quinze anos antes; consolidada com a leitura de Piaget, a partir da qual preconizou um aporte alternativo para o estudo da percepção ambiental que, naquele contexto, era fortemente influenciado pelo comportamentalismo.
Clique aqui para ler

Yi-Fu Tuan. Topofilia
O autor, através desta obra, procurou explorar algumas questões sobre o tema 'meio ambiente', tais como - quais são visões do meio ambiente físico, natural e humanizado? Como as pessoas percebem, estruturam e avaliam? Quais foram, e quais são, os ideais ambientais? Como a economia, o estilo de vida e o próprio ambiente físico afetam as atitudes e valores ambientais? Quais são os laços entre meio ambiente e visão do mundo?
Clique aqui para ler

Yves Lacoste. A Geografia: isso serve, em primeiro lugar, para fazer a guerra
Uma das razões de ser fundamentais da geografia é dar conta da complexidade das configurações do espaço terrestre. Os fenômenos que podem ser isolados pelo pensamento, segundo as diferentes categorias científicas (geologia, climatologia, demografia, economia etc), ordenam-se em grande espaços geográficos. Neste livro, Yves Lacoste desmistifica a suposta neutralidade da geografia e chama a atenção para as consequências que podem advir para as populações atingidas pela organização de seu espaço. Ao mesmo tempo, conclama a corporação dos geógrafos a assumir uma posição militante contra a instrumentalização da geografia pelos estados-maiores, estatais ou privados.
Clique aqui para ler

Zygmunt Bauman. Modernidade liquida
A modernidade imediata é 'leve', 'líquida', 'fluida' e mais dinâmica que a modernidade 'sólida' que suplantou. A passagem de uma a outra acarretou mudanças em todos os aspectos da vida humana. Nesta obra, o autor procura esclarecer como se deu essa transição e auxiliar o leitor a repensar os conceitos e esquemas cognitivos usados para descrever a experiência individual humana e sua história conjunta, fazendo uma análise das condições cambiantes da vida social e política.

..........

FILMES E DOCUMENTÁRIOS

A corporação (2003)
Cento e cinqüenta anos atrás, a corporação era apenas uma instituição insignificante. Mas hoje é mais que uma presença em nossas vidas. Assim como o Comunismo, a Igreja e a Monarquia em outras épocas, a corporação é hoje a instituição dominante. Apesar de a história geralmente depreciar esse domínio, a corporação é a primeira instituição poderosa a ponto de definir a história. Neste complexo e divertido documentário, Mark Achbar e Joel Bakan mostram as repercussões da hegemonia das corporaçães na sociedade e na vida das pessoas.

Adeus Lenin (2003)
O protagonista da trama, Alexander (Daniel Brühl), em 7 de outubro de 1989, durante as festividades pelos 40 anos da República Democrática Alemã (RDA), vai às ruas do lado oriental de Berlim, onde vive com a família, para protestar contra o governo. Mistura-se aos manifestantes que sua mãe (Kathrin Sass), professora identificada com o regime de orientação soviética, condena. Alexandre definia sua mãe como "casada com a pátria socialista". Um ataque cardíaco, no entanto, a deixa em coma no hospital durante oito meses, tempo suficiente para que não assista à queda do Muro de Berlim e a implantação no país do sistema capitalista. Quando afinal desperta, Alexander quer preservá-la do choque e a leva para o apartamento da família, cuidadosamente preservado como se a RDA ainda existisse. Seu esforço será o de manter sua mãe viva nessa espécie de museu do socialismo.

A onda (2009)
Em uma escola da Alemanha, alunos tem de escolher entre duas disciplinas eletivas, uma sobre anarquia e a outra sobre autocracia. O professor Rainer Wenger (Jürgen Vogel) é colocado para dar aulas sobre autocracia, mesmo sendo contra sua vontade. Após alguns minutos da primeira aula, ele decide, para exemplificar melhor aos alunos, formar um governo fascista dentro da sala de aula. Eles dão o nome de "A Onda" ao movimento, e escolhem um uniforme e até mesmo uma saudação. Só que o professor acaba perdendo o controle da situação, e os alunos começam a propagar "A Onda" pela cidade, tornando o projeto da escola um movimento real. Quando as coisas começam a ficar sérias e fanáticas demais, Wenger tenta acabar com "A Onda", mas aí já é tarde demais.


Comprar, jogar fora, comprar: a história da obsolescência programada (2010)
O documentário evidencia a prática da obsolescência programada (ou planejada) como o motor da sociedade de consumo, onde desde os anos de 1920 fabricantes começaram a diminuir a vida útil dos produtos para aumentar as vendas.
Clique aqui para assistir





Damocracy (2013)
Documentário que desmascara o mito de barragens monstro como energia limpa e como solução para as alterações climáticas. Ele registra a inestimável herança cultural e natural que o mundo perderia na Amazônia e na Mesopotâmia se duas barragens monstro planejadas forem construídas, barragem de Belo Monte no Brasil e barragem de Ilisu na Turquia. Damocracy é uma história de resistência por parte dos milhares de pessoas que serão deslocadas e uma chamada para o mundo para apoiar sua luta.





Encontro com Milton Santos: o mundo global visto do lado de cá (2006)
O documentário aborda o processo de globalização com base no pensamento do geógrafo Milton Santos, que, por suas ideias e práticas, inspira o debate sobre a sociedade brasileira e a construção de um novo mundo.





Entre rios: a urbanização de São Paulo (2009)
Entre Rios conta de modo rápido a história de São Paulo e como essa está totalmente ligada com seus rios. Muitas vezes, no dia-a-dia frenético de quem vive em São Paulo, eles passam desapercebidos e só se mostram quando chove e a cidade para. O documentário aborda todos os problemas de infraestrutura relacionados com os rios e seus afluentes desde o início de São Paulo, quando ainda era uma vila. A partir deste ponto, dá-se início toda uma questão cultural e política que ligam a São Paulo de hoje aos seus problemas.


Expresso do Amanhã (2015)
Quando um experimento para impedir o aquecimento global falha, uma nova era do gelo toma conta do planeta Terra. Os únicos sobreviventes estão a bordo de uma imensa máquina chamada Snowpiercer. Lá, os mais pobres vivem em condições terríveis, enquanto a classe rica é repleta de pessoas que se comportam como reis. Até o dia em que um dos miseráveis resolve mudar o status quo, descobrindo todos os segredos deste intrincado maquinário.




Fahrenheit 11 de setembro (2004)
A apuração de votos das eleições de 2000 para a presidência da república nos Estados Unidos são as primeiras imagens de Fahrenheit 11 de Setembro. Com uma narração sarcástica do diretor Michael Moore, as cenas sugerem que a administração do presidente seria uma fraude, afinal Bush teria vencido o pleito com uma "mãozinha" do Estado da Flórida, governado por seu irmão Jeb. E depois que George W. Bush assumiu o poder, é acusado de estar constantemente em férias. Isso é só o começo da devassa que o cineasta fez a respeito do presidente e sua gestão, que tem como ponto alto os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.


Ilha das Flores (1989)
Um ácido e divertido retrato da mecânica da sociedade de consumo. Acompanhando a trajetória de um simples tomate, desde a plantação até ser jogado fora, o curta escancara o processo de geração de riqueza e as desigualdades que surgem no meio do caminho.
Em 1995, Ilha das Flores foi eleito pela crítica europeia como um dos 100 mais importantes curtas-metragens do século.




Invictus (2009)
Recentemente eleito presidente, Nelson Mandela (Morgan Freeman) tinha consciência que a África do Sul continuava sendo um país racista e economicamente dividido, em decorrência do apartheid. A proximidade da Copa do Mundo de Rúgbi, pela primeira vez realizada no país, fez com que Mandela resolvesse usar o esporte para unir a população. Para tanto chama para uma reunião Francois Pienaar (Matt Damon), capitão da equipe sul-africana, e o incentiva para que a seleção nacional seja campeã.


Junho: o mês que abalou o Brasil (2014)
O documentário mostra as manifestações que tomaram diversas cidades do Brasil em junho de 2013. A revolta de proporção nacional ganhou expressão em São Paulo, quando uma passeata contra o aumento das tarifas do transporte público foi duramente reprimida pelas forças policiais. As reivindicações aumentaram, havendo protestos contra a corrupção, falta de serviços públicos e gastos excessivos com a Copa do Mundo. O movimento evoluiu, ganhou o país e mais de um milhão de pessoas foram às ruas.




O mundo segundo a Monsanto (2008)
O documentário "O Mundo segundo a Monsanto" traça a história da principal fabricante de organismos geneticamente modificados (OGM), cujos grãos de soja, milho e algodão se proliferam pelo mundo, apesar dos alertas de ambientalistas.
Clique aqui para assistir





Os deuses devem estar loucos (1980)
Num certo dia, de um avião de passagem, o piloto joga fora uma garrafa de vidro de Coca-Cola e inicialmente esse artefato estranho parece ser um presente dos deuses, com muitos usos a serem descobertos. Mas na tribo, os conflitos foram aumentando, já que há somente um frasco para dividir entre todos da tribo. Então, decide-se que o frasco deve ser jogado fora do planeta. Xi se oferece para a tarefa, e enquanto viajava para cumpri-la, ele encontra membros da civilização ocidental pela primeira vez. O filme apresenta uma visão diferente da civilização vista por Xi.


O povo brasileiro (2000)´
O antropólogo Darcy Ribeiro (1913-1997) foi um dos maiores intelectuais brasileiros do século XX. Este documentário dividido em 10 episódios da elogiada série baseada na obra-prima de Darcy: O Povo Brasileiro, em que o autor responde à questão “quem são os brasileiros?”, investigando a formação de nosso povo. Coproduzida pela TV Cultura, pela GNT e pela FUNDAR, a série conta com as participações especiais de Chico Buarque, Tom Zé, Antônio Cândido, Aziz Ab’Saber, Paulo Vanzolini, Gilberto Gil, Hermano Vianna, Luiz Melodia, entre outras personalidades e intelectuais de renome. Com imagens captadas em todo o Brasil, material de arquivo raro e depoimentos, O Povo Brasileiro é uma obra fundamental para educadores, estudantes e todos aqueles interessados em conhecer um pouco mais sobre o nosso País.
Clique aqui para assistir



O senhor das armas (2005)
Yuri Orlov (Nicolas Cage) é um traficante de armas que realiza negócios nos mais variados locais do planeta. Estando constantemente em perigosas zonas de guerra, Yuri tenta sempre se manter um passo a frente de Jack Valentine (Ethan Hawke), um agente da Interpol, de seus concorrentes e até mesmo clientes, entre os quais estão alguns dos mais famosos ditadores do planeta.




O último rei da Escócia (2006)
O médico recém-formado Nicholas Carrigan resolve se aventurar pelo mundo em busca de novas experiências. O destino escolhido é Uganda, país localizado na região central da África. Lá, o médico reside em uma pequena cidade, servindo o hospital principal. O presidente do país, Idi Amin, sofre uma pequena lesão nas mãos enquanto visita a cidade. Por acaso, o médico requisitado para socorre-lo é Carrigan,que acaba por prestar socorro ao presidente. A partir disso, Amin propõe a ele que se torne seu médico pessoal. Relutante, Nicholas aceita a proposta. Durante seu mandato, o médico se torna também seu amigo e conselheiro, participando de reuniões e representando do presidente em algumas ocasiões. Devido à algumas situações, ao decorrer do tempo Nicholas descobre que Amin não é quem parecia ser.

Ouro azul: as guerras mundiais pela água (2011)
Documentário sobre as atuais e futuras guerras por água. Mostra como esse recurso tão importante para a manutenção da vida está sendo mal gerido, esgotado e poluído em todo o mundo. Além disso, aborda a falta de água em muitos países devido a manipulação e corrupção por parte dos governos, administrações locais e as corporações multinacionais, além das constantes lutas entre o povo e os poderes econômicos e governamentais. As guerras e conflitos diários por uma fonte de vida de todos os seres humanos e seres vivos deste planeta.




Tempos modernos (1936)
Um operário fica louco com o ritmo intenso do trabalho braçal com o qual consegue o seu ganha pão. Demitido, acaba parando em um hospital. Quando sai, é confundido durante um protesto comunista e acaba preso. Em meio a toda essa confusão, ainda arruma tempo para ajudar uma jovem órfã.





Urbanized (2011)
A história e o design das cidades, contada pelos arquitetos, planejadores, políticos e pensadores mais famosos do mundo. Eles falam sobre os problemas dos grandes centros urbanos e também das estratégias por trás do design de cada cidade, mostrando que quando as pessoas andam pelas ruas tudo que elas veem foi pensado e desenhado.





Wikirebels: o documentário do Wikileaks (2010)
Descubra como o WikiLeaks tornou-se um dos principais institutos de defesa pela verdade e pela justiça através dos vazamentos de informações secretas. Instalado nos servidores do Pirate Bay, o site está assegurado pelas estritas leis suecas que protegem o direito de expressão. Julian Assage, jovem ativista que luta pela paz mundial, tornou-se uma das principais dores de cabeça dos EUA. Muitos políticos querem que ele seja preso ou executado, mas o que ele realmente fez de errado foi mostrar os meios imperialistas e desumanos que o país aplica. O Wikileaks faz o papel que a mídia tradicional não faz justamente por esta estar ligada aos interesses políticos dos setores oligárquicos que ditam as regras mundias. Este vídeo, apresentado pela TV estatal sueca (SVT), relata a criação e revela o modo de agir do Wikileaks, esclarecendo em especial como opera sua rede de colaboradores. É permeado por excelentes entrevistas em que o fundador do site, Julian Assange, expõe o que o animou ao projeto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário